jusbrasil.com.br
4 de Março de 2021

Marketing de Relacionamento: processo de atração e fidelização de clientes na advocacia

Entenda como utilizar o Marketing de Relacionamento como estratégia para a fidelização dos clientes

Eliza Novaes, Advogado
Publicado por Eliza Novaes
há 10 meses

Conquistar novos clientes é objetivo comum a qualquer advogado.

Porém a cada dia que passa a concorrência está cada vez mais acirrada no mundo jurídico, independente da área de atuação, exigindo dos advogados mais do que ter conhecimento jurídicos.

Se tornou imprescindível que o advogado tenha domínio sobre gestão, marketing jurídico, empreendedorismo para conquistarem mais espaço em um mercado tão competitivo.

Atualmente é indispensável pensar em estratégias que façam mais do que atrair novos clientes. E para auxiliar os advogados nessa luta por espaço no mercado jurídico, temos o Marketing de Relacionamento e suas ferramentas para fidelizar os clientes já conquistados.

O QUE É O MARKETING DE RELACIONAMENTO?

O Marketing de Relacionamento é uma estratégia de marketing que tem como objetivo a fidelização dos clientes, ou seja, é um conjunto de ações tomadas como forma de criar e manter um relacionamento positivo com os seus possíveis clientes.

Para que o Marketing de Relacionamento gere frutos é de grande importância que o advogado procure construir um banco de dados que permaneça sempre atualizado com os dados dos seus clientes.

É através do banco de dados que o advogado poderá enviar aos clientes o seu conteúdo informativo e investir em formas de gerar a fidelização dos seus clientes.

COMO APLICAR O MARKETING DE RELACIONAMENTO ?

Agora que já sabemos o que é o Marketing de Relacionamento e para que ele serve. Vamos falar de como podemos aplicá-lo na prática na advocacia?

Há inúmeras maneiras de fazer isso e, felizmente, o ambiente digital deixou as coisas mais fáceis para os advogados durante esse período de pandemia.

Afinal, as redes sociais passou a ser a nossa ferramenta de trabalho e permitem que os advogados se aproximem ainda mais do seu público alvo!

A verdade é que o Marketing de Relacionamento é uma estratégia complementar a várias outras que você pode utilizar.

É essencial saber que ela contrasta com a abordagem do marketing mais tradicional, que se concentra em divulgar alguma coisa sem se preocupar muito bem com o momento do seu possível cliente.

Gostou do conteúdo?

Não esqueça de recomendar pois é muito importante para gente!

#maisjuntosdoquenunca

9 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

O marketing está se tornando aos poucos cada vez mais popular entre os advogados. O que eu acho sensacional! Precisamos unir o direito a outras áreas e conhecer mais sobre esse tema. Parabéns pela publicação! :) continuar lendo

Obrigada pelo Feedback Dra. Bárbara.

Realmente hoje o advogado precisa ter diversas habilidades que não são ensinadas nas faculdades para se destacar no mercado, como é o caso do marketing jurídico.

Felizmente os advogados tem aberto a visão com relação a essa visão e buscado aprofundar no marketing jurídico. continuar lendo

Realmente, altamente competitivo. continuar lendo

É bem o momento de construir o diferencial e sair na frente. continuar lendo

"O marketing para advogados deveria ter a abertura que se tem nos Estados Unidos, aonde vemos na televisão, às margens das grandes avenidas (placas de anuncios tipo:" teve seu veículo danificado, procure o adv. x "...; essa questão de estarmos buscando clientes novos em razões de resultados obtidos em casos semelhantes (por indicação) resulta no que lemos hoje: o expressivo número de advogados socorrendo-se da Ordem para receberem míseros R$ 100,00". Vamos parar com demagogias e mudar os critérios contidos em nosso Estatuto sobre abertura de mercado para os advogados através de comerciais na TV, radio, anúncios diversos... continuar lendo

Se me permite a humilde opinião como profissional de comunicação: entendo que houve um equívoco muito comum de profissionais fora da área de comunicação. Marketing não é somente sobre vendas. Esta é apenas uma das fases da jornada do consumidor.

Ela destaca no texto a importância de manter os clientes que os advogados já possuem através do estreitamento do relacionamento entre os dois - não a nível pessoal, mas de marca.

Com o avanço tecnológico e o estudo de tendências de comportamento - especialmente falando das gerações de nativos de digitais - a forma como somos descobertos e escolhidos está muito diferente.

Não vejo os EUA como base para construir uma relação saudável com o consumidor. Muitos profissionais incompetentes, porém financeiramente abastados, sairão na frente e é justamente o que o código de ética quer evitar.

Existe um material aqui na comunidade falando sobre o que nomearam de Legal Design e é um excelente início caso tenha interesse em entender mais sobre o tópico. continuar lendo

Essa matéria de Marketing de Relacionamento, vem à tona, em momento oportuno, pois, estamos sentindo na pele, os efeitos da inevitável recessão econômica da humanidade. Para fazer frente à essa "crise", do COVID-19, devemos deixar de lado a procrastinação e buscar novos caminhos e soluções rápidas, sob pena de sucumbirmos. com uma grande maioria de profissionais de outras classes, com menor grau de informação. Comungo com o pensamento do Colega, Sandoval Hessel, o qual citou, a necessidade de :"Parar com demagogias e mudar os critérios contidos em nosso Estatuto sobre abertura de mercado para os advogados, através de comerciais na TV, rádio, anúncios diversos..." Flexibilizando a utilização dos canais da mídia digital e mala direta, para aqueles Advogados, que assim o desejarem fase uso, sem o risco eminente de sofrer penalidades.. continuar lendo

Não vejo o Código de Ética como esse bicho papão todo, mas precisa sim de uma atualização. As mídias digitais - especialmente redes sociais - já podem ser exploradas sem medo focando em produção de conteúdo orgânico e não anúncio de venda.

Formato de vídeo com linguagem acessível está em falta. Eu mesma busco conteúdo para compartilhar, mas a maioria não se comunica com o público no geral. Devo ressaltar que sou ex estudante de Direito, ou seja, compreendo a linguagem. continuar lendo